Oração para São Benedito

Oração ao santo mouro

Glorioso São Benedito, grande Confessor da fé,
com toda confiança venho implorar
a vossa valiosa proteção.

Vós, a quem Deus enriqueceu com os dons celestes,
impetrai-me as graças que ardentemente desejo,
para maior glória de Deus.

Confortai o meu coração nos desalentos!
Fortificai minha vontade para cumprir bem os meus deveres!
Sede o meu companheiro nas horas de solidão e desconforto!

Assisti-me e guiai-me na vida e na hora da minha morte, para que eu possa bendizer a Deus nesse mundo e gozá-lo na eternidade. Com Jesus Cristo, a quem tanto amastes.

Ouça, por favor, minha oração

Amém.

História de São Benedito

Oração para São Benedito

Imagem: Reprodução

São Benedito é um santo católico nascido num povoado localizado na Sicília, Itália. Filho de escravos descendentes da Etiópia, ganhou sua liberdade do regime escravocrata muito cedo. Negro, não aprendeu a ler ou escrever. Trabalhou duro desde muito cedo como pastor de rebanhos e sempre teve certa tendência à solidão e reclusão, sendo por muitas vezes humilhado por colegas durante seu trabalho, o que só vinha a intensificar a sua fé. Benedito, que significa abençoado, desde muito cedo já tinha consciência do seu amor à Deus. Aproveitava os momentos de quietude enquanto realizava seu pastoreio para rezar fervorosamente ao Senhor.

Aos vinte e um anos sofreu preconceito pela sua cor, sendo insultado publicamente. Sua reação à humilhação foi serena, calma e tranquila, chamando atenção de um grupo de monges eremitas que o convidara para unir-se à congregação. Benedito aceitou, fazendo voto de castidade, pobreza e obediência. Dava exemplo aos demais andando descalço pelas ruas e dormindo no chão sem nenhum tipo de coberta, vindo a ser constantemente procurado pela população a fim de receber conselhos e orações vindas do Santo. Era considerado por toda comunidade um homem santo e iluminado, além de extremamente humilde.

Um retrato de humildade

Após dezessete anos convivendo entre os monges eremitas, transferiu-se para o Convento dos Capuchinhos, onde exercia a função de cozinheiro. Admirados com sua sabedoria e extrema fé, os monges dos Capuchinhos o elegeram como supervisor do mosteiro, mesmo Benedito não sendo alfabetizado. Fiel na Providência Divina, recomendava aos porteiros que nunca negassem esmola a quem porventura pedisse. Sempre era o primeiro quando se tratava de trabalhos manuais, auxílio aos doentes e primeiro no coro. Exerceu seu cargo de administrador com honra e destreza e, quando sua função de supervisor chegou ao fim, não viu problemas em retornar à cozinha novamente.

Sempre se preocupou com os menos afortunados e famintos, vindo por diversas vezes a pegar alimentos na cozinha do convento e escondê-las nas vestes para distribuir aos necessitados.

Morreu aos 65 anos, vindo a ser sepultado no cemitério ao lado do convento a qual viveu e morreu. Hoje, o corpo incorrupto se encontra em uma urna de cristal, abaixo do nicho de Nossa Senhora. No Brasil, São Benedito é muito popular, principalmente por aqueles de descendência africana, que vem a  associá-lo aos padecimentos do negro brasileiro.